Postagens

Mostrando postagens de Agosto, 2016

ENSAIO SOBRE A OBESIDADE - O CORPO REPRESENTA O INCONSCIENTE,E A PARTIR DELE SATISFAZEMOS AS NECESSIDADES E EXIGÊNCIAS PULSIONAIS

Imagem
O corpo representa o inconsciente,e a partir dele satisfazermos as necessidades e exigências pulsionais


Ensaio sobre a obesidade

O corpo do obeso é lugar de gozo e de pulsações que geram atos psíquicos repetitivos. Ele é ainda mais complexo, é um corpo pesado pelo psíquico, pela biologia e pela pressão do social

Por Eduardo Lucas Andrade e João Antônio Fernandes


O corpo que é incomodado pela pulsão, muitas vezes demanda análise. O corpo é campo concreto para aquisição de sintomas, adesão de mal-estares, investimento de energias psíquicas e representações de ideias inconscientes. O corpo é a fala na carne. Ele tem desmedido peso na teoria psicanalítica e em sua clínica. Na contemporaneidade, estamos vivendo a cultura dos avanços desenfreados, e com ela surgem novas aplicações do corpo e sobre o corpo, acompanhando (re)edições de sintomas e manifestações psíquicas. A noção de corpo acompanha a teoria psicanalítica desde os seus primórdios. Antes mesmo de Freud denominá-la de Psicanálise, est…

SELVÁTICAS : UM ENSAIO FOTOGRÁFICO CONTRA A SEXUALIZAÇÃO DO CORPO FEMININO

Imagem
Selváticas: um ensaio fotográfico contra a sexualização do corpo feminino
 “Este ensaio fotográfico nasce como uma ação-arte-manifesto contra a sexualização do corpo feminino. Vem para questionar a censura dos seios presentes em obras de arte, compartilhadas na rede social mais acessada no mundo. Não estamos nuas. Estamos sem blusa. E é assim que queremos também discutir a democratização das redes, a manipulação de conteúdo na […]
Publicado em 22 de setembro de 2015
“Este ensaio fotográfico nasce como uma ação-arte-manifesto contra a sexualização do corpo feminino. Vem para questionar a censura dos seios presentes em obras de arte, compartilhadas na rede social mais acessada no mundo. Não estamos nuas. Estamos sem blusa. E é assim que queremos também discutir a democratização das redes, a manipulação de conteúdo na comunicação e o retrocesso causado pelos gigantes que ameaçam controlar a internet, escolhendo qual será o nosso consumo político e ideológico.” Esse é o primeiro parágrafo da …

CORPO FEMININO : CONSTRUÇÃO DA MÍDIA ?

Imagem
Corpo feminino: construção da mídia? Doutora em Comunicação Social
Grupo de Estudos Comunicação e Cultura
Instituto de Ciências Sociais Aplicadas
Centro Universitário FeevaleDenise Castilhos de Araujo
deniseca@feevale.br
(Brasil)

Resumo           Este artigo analisa a construção e apropriação do corpo feminino pela mídia impressa, a partir da interpretação realizada por diversas mulheres, de anúncios publicitários de calçados femininos. Discute, ainda, o poder exercido pela mídia na construção, reconstrução, estruturação e resignificação do corpo feminino atualmente, bem como a percepção de grupos femininos em relação a estes conceitos de beleza expostos nos discursos publicitários.           Unitermos: Pubicidade. Corpo feminino. Mídia. http://www.efdeportes.com/Revista Digital - Buenos Aires - Año 13 - N° 120 - Mayo de 2008 1 / 1 Introdução     Este texto apresenta alguns resultados do projeto de pesquisa intitulado “Processos Midiáticos: Gênero e Cultura”. A pesquisa se constituiu de três …

ENSAIOS SOBRE O FEMININO, A NOVA SÉRIE DO ESCRITOS PSICANALÍTICOS

Imagem
ENSAIOS SOBRE O FEMININO, A NOVA SÉRIE DO ESCRITOS PSICANALÍTICOS19 de fevereiro de 2016 Escrito por André Nascimento


A nova série de textos do Escritos Psicanalíticos Desde os primórdios da psicanálise, as mulheres despertaram muitos enigmas aos médicos que se propunham a atendê-las em seus consultórios ou enfermarias. Enigmas que colocavam, cada vez mais, desafios àqueles que estudavam e se dedicavam a curar as doenças. Havia pacientes que apresentavam sintomas intensos no corpo, como por exemplo, paralisias, sem qualquer lesão orgânica. Como isso era possível? Ora, se não havia lesão… Como se daria a “cura” desse paciente? Como saber qual a medicação que deveria ser administrada, se não havia nenhuma lesão no corpo que desse pistas que permitissem traçar a direção da cura? Constatou-se, então, que “algo” escapava do alcance do ato/discurso médico. Ainda bem que, Sigmund Freud, na época, médico neurologista, se deixou afetar por esses enigmas, e iniciou uma jornada a fim de descobrir qual era …